sábado, 19 de abril de 2014

Governador do PT na Bahia, Jaques Wagner diz que trará policiais cubanos para cobrir a greve


O governador disse que a negociação está sendo feita, mas que já tem uma "carta na manga" para resolver os problemas de segurança na Bahia.

" já estou em contato com cuba e trarei policiais provisoriamente para sanar a situação da Bahia, afinal não podemos ficar sem policiais, se a greve continuar até segunda feira os policiais cubanos já estarão aqui para nos dá segurança" disse o governador.

O porta voz da polícia militar o Sargente Pincel não gostou da declaração do governador e disse:

"é uma falta de respeito aos policiais baiano, não podemos continuar com este tipo de atitude sarcástica do governo do estado" completou o sargento.

As palavras do governador deixou boa parte da população bem chateada e com mais medo já que as armas da polícia de cuba é do seculo XV.

Isto não é a maior preocupação, principalmente para quem está ao par do caso da Venezuela e sabe qual é o papel de terror desempenhado pelos cubanos no cenário latino-americano.

domingo, 13 de abril de 2014

BENFEITORIAS JUDAICAS: Boicote a Tudo Proveniente do Povo Judeu. Veja Tudo o que Perderiam!


Existe hoje uma onda antisemita, antisionista pelo mundo. Os judeus foram os povo que, historicamente, mais foram perseguidos na história. Foram, no começo dos tempos, ainda na idade do bronze, feitos escravos pelo Egito (como hebreus). Passaram dificuldades no tempo antigo nas mãos do Egito, da Síria, da Babilônia, da Persia, da Grécia, de Roma. Por Roma foram espalhados pelo mundo na grande Diáspora.

Vagaram pelas nações, sempre sendo escorraçados, ofendidos, açoitados, perseguidos, mortos. No séc XV foram expulsos da Espanha.
 

O grande problema para as pessoas em relação aos judeus é que eles são inteligentes e prósperos. Os esquerdiatas históricos odeiam pessoas com méritos, uma vez que esquerdistas querem uma sociedade justa e igual, onde todos seja como eles: burros e pobres. O nivelamento ocorre por baixo. O esquerdista quer todos iguais, mas nenhuma vez na história quiseram ser inteligentes e prósperos como os judeus... são os ricos e inteligentes (mesmo os não judeus) que tem que descer ao nível da burricee pobreza para ter justiça social.

Há pouco tempo (2011) um orador árabe na ONU pediu ao mundo árabe para "boicotar tudo que vem do povo judeu." Em resposta, o Sr. Meyer Treinkman, um farmacêutico, enumera uma lista parcial de benfeitorias criadas por membros do Povo Judeu e da Comunidade Judaica mundial imprecindíveis para a humanidade.

O que os Árabes e o mundo perderia sem a presença e benfeitorias criadas pelo povo Judeu.


Qualquer antisemita que tem sífilis não pode ser curado por um medicamento Salvarsan, descoberto por um judeu, o Dr. Paul Ehrlich, considerado o pai da quimioterapia;

Não deveria sequer tentar descobrir se ele tem sífilis, porque o teste Wasserman foi a descoberta de um outro judeu Von Wasserman;

Se tem gonorréia, não deve procurar o diagnóstico, porque ele vai usar o método de um judeu chamado Neissner;

Se sofre de doenças cardiovasculares não devem usar o Digital, uma descoberta feita por um judeu, Ludwig Traube;

Se sofre de dor de dente, ele não deve usar cocaína, uma descoberta dos judeus, Widal e Weil;

Se tem diabetes, não deve usar insulina, que é o resultado da pesquisa de Minkowsky, um judeu;

Se tem dor de cabeça, deve evitar o antypyrine pyramidion , por causa do judeu, Spiro Ellegi;

Insônia? Oscar Leibreich, um judeu, que propôs o uso de hidrato de cloral;

Doenças mentais? Freud, o pai da psicanálise era judeu;

Difteria?, deveria se abster de reagir "Schick", que foi inventado pelos judeus, Bella Schick;

O tratamento das orelhas e lesões cerebrais, esta é a obra do Prêmio Nobel, Robert Baram, um judeu;

Paralisia infantil? O inventor da vacina contra a poliomielite é um judeu, Jonas Salk;

Tuberculose? Deveriam se recusar a utilizar estreptomicina e morrer de tuberculose, porque um judeu, Zalman Waxman, que ganhou o Prêmio Nobel de Medicina em 1952, inventou a droga para tratar esta doença mortal;

Os médicos árabes devem renunciar a todas as descobertas e aperfeiçoamentos feitos pelo dermatologista Sehn Judas Bento, ou o especialista do pulmão, Frawnkel;

Imagine o mundo sem as seguintes descobertas, todas feitas por judeus...



Aaron Aaronsohn - Foot descoberta de trigo selvagem, a dicocoides triclínio em Agronomia (1900)
Abrams Morris - Arrow grampeador (1950)
Georgy Adelson-Velsky e EM Landis - árvore AVG Computer (1962)
Leonard Adleman - criptossistema RSA (1977)
Charles Adler - Sistemas de Segurança no Trânsito (1928)
Robert Adler - Controle remoto (1950)
Zhores Alferov - semicondutores (2000)
Zacarias Allen - protecção contra fogo (1835)
Ori Allon - algoritmo de Orion (2006)
Amoils Percy Selig - Inovação em Oftalmologia (1962)
Efi Arazi - retoque eletrônico de imagens (1977)
Zora Arkus-Duntov - criador do Corvette (1953)
Hermann Aron - o contador de energia (1884)
Ruth Arnon - o tratamento da esclerose múltipla (1998)
Leo Arons - lâmpada de vapor de mercúrio (1890)
Chaim Aronson - inovação na fotografia (1880)
Hertha marcas Ayrton - ferramentas de designer, lâmpada de arco elétrico (1893)
Ralph Baer - Video Game (1967)
Paul Baran - Internet (1960)
Bernhard Baron - máquina de fazer cigarros (1895)
Vladimir Baranoff-Rossin - Ele é o inventor do otofone piano, que combina o som e a cor. (1924)
Henri Baruk - Teste tsedek em Psicologia (1950)
Richard Bellman - programação dinâmica em Ciência da Computação (1953)
Itzhak Bentov - o cateterismo cardíaco (1971)
Felix Berezin - Contribuições na teoria matemática da supersimetria (1960)
Lodewyk van Berken - ele descobriu a arte do corte e polimento de diamantes, com uma roda e um pó de diamante (1456)
Emile Berliner - Gramophone (1877)
Hans Bethe - descobre o ciclo do carbono (1967)
Eli Biham - criptologia criptoanálise diferencial inventado (1990)
Stephen Birken - sistema para separar os componentes de um material base (1969)
Laszlo Biro - caneta esferográfica (1938)
Simcha Blass - sistema de irrigação por gotejamento (1959)
Ludwig Blattner - Cinema Sound (1929)
Charles Kasiel Bliss - Felicidade, a linguagem ideográfica (1940)
Herman S. Bloch - conversor catalítico (1950)
Adam Blum - contribuições para os fundamentos da teoria da complexidade computacional em criptografia (1995)
Samuel Blum - A cirurgia do olho do laser (1980)
Baruch Blumberg - descoberta de um antígeno de induzir uma resposta imune contra a hepatite B (1963)
Dan Boneh - Sistema de Informação de Segurança em criptografia (1996)
Sydney Brenner - descobriu sobre a morte celular (2002)
Sergey Brin e Larry Page - os fundadores do site e motor de busca Google (1998)
Imre Brody - lâmpada krypton (1930)
Gustav Bucky - Radiologia (1912)
Melvin Calvin - A descoberta da fotossíntese (1961)
Georg Cantor - descoberta do infinito em matemática (1874)
Ernst Chain - A penicilina (1941)
Georges Charpak - projeto de detectores de partículas ou câmara Charpak (1992)
Boris Chertok - desenvolvimento de foguetes (1950)
Aaron Ciechanover, Avram Hershko, Irwin Rose - A descoberta da degradação das proteínas (2004)
Tullio Levi Civita - criação de cálculo tensorial em matemática (1900)
Fred Cohen - vírus de computador (1983)
Samuel Cohen - bomba de nêutrons (1958)
StanleyCohen - o primeiro contraceptivo oral (1952)
Martin Cooper - o primeiro celular (1973)
Joshua Lionel Cowen - trem elétrico (1901)
Abraão Cresques - mapeamento (1381)
Joel Davidson - o primeiro veículo 100% solar (1984)
Sr. Davidson - ele inventou o carro elétrico (1854)
Crescas Davin - o sabão (1371)
Nathan DeFries - fábricas de gás (1840)
Carl Djerassi - invenção de noretisterona, um progestogênio sintético. (1951)
Merav Dolev, MOTY Heiblum, Vladimir Umansky, Diana Mahalu e Ady Stern - descoberta de partículas com quase um quarto da carga de um elétron (2008)
William Dubilier - capacitor de mica, que revolucionou a transmissão de rádio (1933)
Paul Ehrlich - o tratamento da sífilis (1908)
Alfred Einhorn - novocaína (1905)
Willem Einthoven - ECG (1883)
Benjamin Eisenstadt - edulcorante sacarina (1950)
Paul Eisler - PCB (1948)
Joel Engel e Richard Frenkiel - os telefones celulares (1987)
Albert Einstein - Laser (1917) - uma espécie de geladeira (1930)
Gertrude Elion - novos tratamentos contra a leucemia (1951) e malária (1952)
Joseph Erlanger - caracterização obras de fibras nervosas (1944)
Philo Farnsworth - a invenção do tubo de filmagem para a televisão. (1920)
Sáb Fedida - o Viewdata (1971)
Edward Feigenbaum - Trabalhos nas áreas de concepção e construção de sistemas de inteligência artificial (1994)
Lee Felsenstein - Micro PC (1975)
Avery Fisher - contribuições para o campo da reprodução de som (1950)
Max Fleischer - ele inventou a rotoscopia, que é uma técnica de animação (1914)
Rosalind Franklin - a descoberta da estrutura do DNA (1951)
Joseph Friedman - invenção da palha flexível (1937)
Otto Frisch - ele desenhou o primeiro mecanismo teórico para a explosão de uma bomba atômica (1940)
Julius Fromm - Condom (1912)
Casimir Funk - Vitaminas (1912)
Furchgott - descobriu o papel do óxido nítrico no sistema cardiovascular (1998)
Denis Gabor - invenção da holografia (1948)
Henry Gaisman - aparelho de barbear (1929)
Uziel Gal - pistola-metralhadora Uzi (1954)
Yisrael Galili - fuzil Galil (1973)
José Gerber - Escala Variável Gerber (1944)
Charles Gerhardt e Eichengrun Arthur - Aspirina (1853)
Hugo Gernsback - bateria seca (1904)
Gersonides - 'vara de Jacó "instrumento de medição angular (1320)
Leo Gerstenzang - cotonete (1923)
David Gestetner - máquinas para reproduzir o texto em toda a técnica de estêncil (1880)
Charles Ginsburg - Videotape (1956)
Donald Glaser - Câmara Bubble (1953)
Leopold Godowsky e Leopold Mannes - filme inversão de cor (1935)
Emmanuel Goldberg - técnicas de imagem (1950)
Isidoro Goldberg - lâmpada de emergência (1915)
Ken Goldberg - um dos pioneiros do telerobótica através da Internet (1994)
Gordon Gould - Laser (1958)
Sylvan Goldman - carrinho de supermercado (1937)
Peter Carl Goldmark - vinil de televisão e cor (1940)
Bernard Gordon - Tomografia digital analógico, radar Doppler (1953)
Leonard Greene - invenções na tecnologia de aviação (1946)
Paul Greengard - encontrado na transmissão sináptica (2000)
Fritz Haber - a síntese do amoníaco (1918)
Waldemar Haffkine - Vacina contra a cólera e (1892) a peste bubônica
Ruth Handler - Boneca Barbie (1959)
David Harari - mini avião espião não-tripulado (1980)
Martin E. Hellman - inventor da criptografia assimétrica em Ciência da Computação (1960)
Heinrich Hertz - telegrafia sem fios melhoradas (1888)
William e Caroline Herschel - descobrindo o planeta Urano (1781)
Kurt Hertzstark - calculadora mecânica (1948)
Julius Hess - Incubadora para bebês prematuros (1922)
George de Hevesy - uso de isótopos radioativos como traçadores em estudos biológicos (1943)
Basílio Isaac Hirschowitz - fibroscópio primeira (1950)
Ludwik Hirszfeld - o primeiro a classificar os grupos sanguíneos (1928)
Ibn Jacob TIBBON - tabelas astronômicas para o estabelecimento de um Almanaque Universal (1260)
Gabriel Iddan - câmera de vídeo dentro de uma cápsula (2001)
Gavril Ilizarov - método de tratamento das fraturas (1950)
Isidore Isou - criação de letrismo na literatura (1945)
Hanon Izakson - Máquinas Agrícolas (1932)
Jacob - o primeiro café em Oxford (1650)
Hermann von Jacobi - Ele descobriu galvanoplastia (1837)
José Jacobson - inovações tecnológicas (2002)
Philippe Kahn - a câmera do telefone (1997)
Dean Kamen - Segway Personal Transporter (2002)
Maurice Kanbar - cinema multiplex (1980)
Viktor Kaplan - descoberta do tumor de pele que leva seu nome (1872)
Theodore von Karman - descoberta na aerodinâmica (1935)
Ronald A. Katz - Call Center (1961)
Charles Kelman - cirurgia de catarata (1967)
John Kemeny - linguagem de programação BASIC (1964)
Eitan Kerem e Mikhael Wilshansky - Hadassah Medical Center,droga para tratar pacientes de fibrose cística, que afeta os pulmões ou o fígado, o pâncreas (2008)
Steve Kirsch - mouse óptico (1980)
Arthur Kornberg - mecanismo biológico do DNA (1959)
Karl Landsteiner - Grupo de Sangue (1902)
Julius Edgar Lilienfeld - Transistor (1920)
David Lee - descoberta da superfluidade no hélio-3 (1996)
Amato Lusitano - a circulação sanguínea e os primeiros a observar as válvulas venosas (1547)
John McCarthy - computador Lisp (1958)
Theodore Harold Maiman - ele criou o primeiro laser moint (1960)
Benoit Mandelbrot - Geometria Fractal em Matemática (1975)
Siegfried Marcus - precursor do automóvel (1864)
Lise Meitner - fissão nuclear (1939)
Irving Millman - vacina contra a hepatite B (1971)
Hermann Minkowski - conceito de espaço-tempo em quatro dimensões (1905)
Abram Neiman - Assaltante Neiman (1930)
John von Neumann - fundador da teoria dos jogos (1944)
Marshall Nirenberg - código genético (1968)
Pedro Nunes - um de navegação disse Nonius (1542)
Jacob Pereire Rodriguez - um do primeiro alfabeto para surdos-mudos (1749)
Claude Ohayon - ele desenvolveu um sistema em que os produtos não-recicláveis ​​são transformados em combustível através de um dispositivo que converte os gases residuais (2008)
Gregory Pincus - a primeira pílula anticoncepcional (1956)
Tadeusz Reichstein - isolamento da cortisona (1950)
Johann Pilippe Reis - primeiro telefone (1860)
BurtonRichter - descoberta da partícula J /? (1976)
Samuel Heyman Ricqles - invenção de licor de menta com o mesmo nome (1838)
Eliyahu Rips - descoberta dos códigos da Torá ()
Boris Rubinsky - um sistema de envio de imagens médicas através de um telefone celular altamente sofisticado único (2008)
Albert Sabin - vacina oral contra a poliomielite (1956)
Jonas Salk - vacina injetável contra a poliomielite (1952)
David Sarnoff - Rádio Desenvolvimento (1918) e televisão (1930)
Andrew Schally - descubra hormônios peptídicos cérebro (1977)
Bela teste Schick - difteria (1913)
Melvin Schwartz - descoberta do muon neutrino (1988)
Julian Schwinger - técnica de renormalização em Física (1949)
Emilio Segre - uma partícula elementar descoberta do antipróton (1959)
Miguel Servet - ele descobriu a "pequena circulação" (1540)
Ehud Shapiro - BIOMOLECULAR computador (2004)
Isaac Merritt Singer - máquina de costura melhorou (1851)
Leo Sternbach - Valium Ile (1969)
Otto Stern - método para estudar o momento magnético de átomos (1919)
Oscar Levi Strauss e Jacob Davis - Jeans da Levi's (1853)
Robert Tarjan - Algoritmos Discovery na Teoria dos Grafos (1986)
Alfred Tarski - fundador da teoria de modelos e semântica formal em lógica matemática (1930)
Edward Teller - pai da bomba H (1952)
Stanislaw Ulam - propulsão nuclear ()
Suzanne Haik Vantoura - musicologia descoberta do código musical nos versículos da Bíblia (1976)
George Wald - descoberto em processos visuais (1967)
Chaim Weizmann - inventou um novo processo para a produção de acetona (1914)
Fernand Widal - descobre o sorodiagnóstico da febre tifóide (1919)
Gil Yossilbesky - alunos do Technion, em Haifa inventaram uma combinação alada que permite que um piloto treinado possa saltar de um avião a outro com segurança (2008)
Abraão Zacuto -, ele aperfeiçoou o astrolábio (1500)
Lazarus Zamenhof - Esperanto (1887)
Por Jean Vercors -...e a cada mes novas invenções são mostradas ao mundo vindo de Israel...
Mark Elliot Zuckerberg - criador do Facebook, em 2004, utilizado pelos países árabes para incitar revoluções.

Em 2011 com 7,1 milhões de habitantes e 8.052 empresas de base tecnológica, Israel é considerado o berço de inovação do Oriente Médio.

Números:
População – 7,7 milhões de habitantes
Empresas de alta tecnologia – 8.052
Empresas iniciantes (Startups) –3.850

Investimento em capital de risco (venture capital) per capita em US$
Israel – 255
Estados Unidos – 97
Irlanda – 53
Dinamarca – 51

Fonte: aqui

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Parem de achar que “reacionário” é ofensa

Progressistas estão tremendo diante da "moda reaça" - mas nada está mais na moda do que ser anti-reaça. Só há um problema: nenhum progressista sabe o que ser "reacionário" significa.


captain america 450x338 Parem de achar que reacionário é ofensa
Gregório Duvivier escreveu nesta semana um artigo na Folha chamado “Moda Reaça”, explicando como deve ser o vestuário dos “reacionários”. Segundo Duvivier, o vestuário reaça é farda verde-oliva do vovô com manchas de sangue, e é preciso ser branco, heterossexual, católico e rico para ser “reaça”.
Por sorte, a Folha explica que Gregório Duvivier merece nos brindar com suas imprescindíveis opiniões por criar o canal de “humor” Porta dos Fundos.
Eu sou especialista em cultura trash, vi todas as temporadas de Beavis & Butt-Head, fiz minha formação moral com Chiclete com Banana, estudo e anoto todos os palavrões que possa aprender com Californication, Angry Video Game Nerd e Olavo Pascucci. Mas eu nunca sei o que são essas coisas como “Porta dos Fundos”, “Malhação”, revista “Contigo” ou artigo do Vladimir Safatle. Isso não é cultura junkie, é o rebotalho da decadência, é platitude para as massas abobalhadas, é palpitaria de shopping, é revolta a favor, é Danoninho pra marmanjo com síndrome de Peter Pan no DCE.
Felizmente a Folha ao menos nos explica por que estamos enfrentando a opinião de alguém tão nitidamente inábil para lidar com o objeto de seu texto. Basta criar um portal de “humor”, o Zorra Total do Youtube, os Teletubbies para gente crescida e voilà, eis a sua coluna semanal na Folha.
De acordo com Gregório Duvivier, a moda “reaça” que descreve é “o último grito do outono fascistão”. O “reaça” é um cara que “se algum viado der em cima dele, ele atira na testa”, mas “transa com travesti” e depois “enche a bicha (sic) de porrada”. É alguém que freqüenta igreja de padre “homofóbico e racista”. A mulher reaça é a que critica periguetes, e quer proibir gorda de sair na rua.
Todos são saudosistas da ditadura e fazem encontro no DOI-Codi – aquele lugar que hoje abriga um memorial da ditadura, por onde Yoani Sánchez passou logo após ser achincalhada por saudosistas da ditadura totalitária cubana, dessa vez sem ser agredida por nenhum jovem “revoluça”, já que ficaria ridículo tentar associar a blogueira dissidente cubana ao mal, quando ela critica todas as ditaduras – e não apenas a menos pior delas. Segundo Gregório Duvivier, o “reaça” anda sempre com soco inglês por aí.
Chegaria a ser engraçado (pela primeira vez na vida de Gregório Duvivier, que nunca conseguiu fazer gente muito inteligente rir) imaginar que ele sabe do que está falando, ao invés de misturar uma carrada de clichês que, ironicamente, estão mais em moda agora do que em 68 – falta pouco pra ele e sua turma se considerarem “proletários”, já que o “sindicato” está cada vez mais sendo trocado pelo poder direto do Estado, com seus Marcos Civis e leis criando privilégios específicos a uns nomeados às custas dos outros.
A moda, na verdade, é chamar tudo o que não atenda à sua exigência de pensamento único de “reaça”. Nada é mais modinha do que isso – sobretudo, na falta de encontrar um “ismo” pra chamar de seu, simplesmente se consideram “progressistas”, já que o Grande Ismo, a ideologia do comunismo – que chamava tudo o que não fosse comunista, justamente, de “ideologia” – saiu de moda, mesmo entre aqueles que não sabem o horror supremo que é Stalin, Holodomor, kolkhoz ou o Gulag. Basta agora ser “de esquerda”.
Na prática, defendendo o mesmo que Mao Zedong em sua Revolução Cultural ou Nicolae Ceaușescu e Kim Il-sung com o “socialismo Juche”, ou Walter Ulbricht com o Muro de Berlim (o “muro antifascista”).
A técnica é simples, qualquer adolescente pereba com preguiça de ler livros de mil páginas sobre esses países distantes consegue aprender: basta chamar aquilo que não for “progressista” e aderente ao pensamento único do Partido no poder de “reaça”, e com toda a sorte de contradições, associar tudo aquilo que for ruim ao “reacionário”: fascismo, racismo, ditadura, homofobia, soco inglês (como se sabe, só comprado por senhoras católicas na Galeria do Rock, nunca por punks black blocs ou invasores de reitoria da USP).
Reacionários, para quem estuda e pesquisa antes de vomitar achismos e opiniões inventadas de estro próprio por aí, são o exato oposto de tudo isso. Os reacionários são aqueles que, ao ver um problema social, desconfiam da solução “revolucionária” de plantão (aumentar o poder do Estado para que ele corrija/proíba/financie) e, imaginando como as coisas reagem, se posicionam contra a concentração de poder nas mãos de uns poucos bem-iluminados que, supostamente, podem “corrigir” o problema. Reacionários são os caras que desconfiam de políticos.
oakeshott Parem de achar que reacionário é ofensaPor isso, os reacionários eram considerados os inimigos das “revoluções” – esta palavra que soa tão agradável a ouvidos desacostumados com a História, que não percebem que toda “Revolução” contra tudo o que está aí resultou no poder absoluto nas mãos de um tirano que simbolizava o pensamento único: a Revolução Francesa decai em Napoleão Bonaparte depois do Terror, a Revolução Russa faz o poder do tsar parecer minúsculo perto de Lenin, Stalin, Kruschev, Andropov e afins, a Revolução Chinesa põe no poder Mao Zedong, que mata sozinho, por métodos que vão do fuzilamento à fome, mais de 70 milhões de pessoas, a Revolução Iraniana, idolatrada por Michel Foucault (que era gay), transforma o ocidentalizado Irã no totalitarismo fechadíssimo de Rūḥollāh Khomeini que enforca gays em praça pública. Todos estes tiranos odiavam os “reacionários” que avisaram: “não faça revolução, vai dar merda…”
Não é engraçado como grandes “pensadores” comunistas, como Idelber Avelar, odeiam que se chame o golpe militar brasileiro de 1964 de “Revolução”? Deveriam era SÓ chamar o golpe de Revolução – também gerou uma concentração de poder e perseguição estatal aos inimigos, não? Revolução de 64, that’s what it is.
Não por outra razão, os “reacionários” eram cantados como alvo de ódio pelos hinos dos dois maiores totalitarismos da história mundial, a Internacional Socialista e o hino nazista, a Canção de Horst-Wessel („Kameraden, die Rotfront und Reaktion erschossen”). “Reacionário” era o epíteto dado aos inimigos dos revolucionários, que queriam o poder total (a marca da era moderna) para “corrigir” a sociedade. Reacionário foi quem se opôs a Lenin, a Mao, a Hitler, a Mussolini, a Khomeini, a Fidel, a Milošević, a Saddam, a Kadafi, a Mugabe, a Kim Il-sung – foram os refratários ao reformismo social pela tirania estatal.
Tem como se ofender com alguém nos chamando de “reacionários” por isso? Tem como não notar a contradição brutal em chamar alguém de reacionário e fascista ao mesmo tempo, quando um era inimigo mortal do outro a ponto de ser cantado como alvo de ódio até no hino nacional e internacional?
Reacionários são os caras que desconfiam dos corações bem intencionados, das cabeças com pouca leitura e dos ânimos exaltadíssimos dos revolucionários por saberem que essas coisas não têm bom resultado. São os chatos que dizem que “protesto” sem foco termina invariavelmente em black bloc matando inocente na rua. Não descobre isso por “preconceito”, e sim por conhecer a história: são os caras que chamam a Revolução Russa de “Revolução”, e também o golpe militar de “Revolução” sem apoiar nenhum dos dois pelo mesmo motivo: terminam em concentração de poder, tirania e repressão aos “anti-revolucionários”. Você já ouviu falar em repressão “anti-reacionária”? Nem eu.
Já o revolucionário acha que os expurgos stalinistas e as mortes de fome em fazendas coletivizadas foram apenas uma festinha que fugiu do controle – ou, caso seja na coletivização de fazendas do Zimbábue pelo socialista Robert Mugabe, amigo de Hugo Chávez, ainda posta foto de africanos morrendo de fome dizendo que é isso que o capitalismo, o livre mercado e a propriedade privada fazem.
chesterton Parem de achar que reacionário é ofensaO reacionário descobre como as coisas reagem porque pensa como um dos homens mais inteligentes da humanidade, G. K. Chesterton: em seu ensaio The Superstition of School, Chesterton explica que não é esperado que os homens “velhos” sejam reacionários, mas que, com a experiência, saibam que as coisas reajam e como reagem - ao contrário do furor revolucionário, que crê religiosamente que o mundo será moldado passivamente com as suas boas intenções. Se um homem atira num coelho, num velho ou num rei, deve esperar reações dessa ação. É a experiência que faz com que o homem tenha expectativa pelo tranco do revólver antes mesmo de puxar o gatilho em cada um desses de novo para saber o que acontece.
É por isso que David Hume, o cético que é maior expoente do empirismo, lembra que as doutrinas e tradições são conhecimento, e não precisamos atirar nós mesmos em um coelho, um velho ou um rei para descobrir as conseqüências. É por isso que conservadores olham para o passado: para não precisar seguir caminhos que os antigos já sabiam que dariam errado no futuro. É por isso que os conservadores conservam tradições e lêem livros antigos, de Platão a Montaigne, de Shakespeare a Solzhenitsyn – o revolucionário, por outro lado, acredita que suas boas intenções bastam para “consertar” o mundo, sem esperar nenhuma reação da dura realidade.
G. K. Chesterton nos ensina que o homem que acumula a sabedoria das reações não perdeideais, como os jovens costumam crer que os velhos perderam seus sonhos. Pelo contrário: o socialismo ideal, o capitalismo ideal ou qualquer Utopia, mantida pura no mundo das idéias, hagiograficamente virginal ao contato com a realidade, continua sendo sempre ideal. O problema é o real: como é um regime de “reforma agrária” com fazendas e fábricas coletivas na realidade, como é a vida livre da “burguesia” em um mundo real em que cada “burguês” desaparecido é mais um cadáver em uma pilha monstruosa.
Ser reacionário é saber como as coisas reagem. É ter um saber que prevê reações antes mesmo de elas ocorrerem. É o homem que vê conseqüências imprevistas onde o afobado vê motivo para exaltação e ânimo em marcha acelerada. É o homem que, como Prometeu no mito, o primeiro reacionário, vê o mal antes mesmo de ele ocorrer. É, enfim, o homem que não nasceu ontem, que não é seduzido por discursos maviosos de quem quer melhorar o mundo sob mandos da concentração de poder e da proibição do que não gostam e do subsídio ao que gostam. Como se ofender em ser reacionário?
Como setencia Nicolás Gómez Dávila, “El reaccionario auténtico no parte de ideas políticas reaccionarias. A veces llega a ellas.” Quantos, após estudar o que pensam os “reacionários” (e não os lugares-comuns inventados pela própria esquerda), chegaram à conclusão de que o melhor é ser de esquerda?
A Politica da Prudencia 224x300 Parem de achar que reacionário é ofensaVocê pode reunir toda a esquerda brasileira – Marilena Chaui, Emir Sader, Luiz Flávio Gomes, Leonardo Sakamoto, Cynara Menezes, Brizola Neto, Antônio Cândido, Chico Buarque, Antônio Abujamra, Lola Aronovich, Paulo Henrique Amorim, Luiz Carlos Azenha, Paulo Arantes, PC Siqueira, Alex Castro, Tico Santa Cruz, Luís Nassif, Túlio Vianna, Mino Carta, José Dirceu, Antônio Palocci ou os assassinos de Celso Daniel e Toninho do PT e perguntar o que já estudaram das obras dos maiores intelectuais da direita “reaça” que povoaram o século: Edmund Burke, Russell Kirk, Thomas Sowell, Eric Voegelin, Bernard Lonergan, Roger Scruton, Ludwig von Mises, Erik von Kuehnelt-Leddihn, Ortega y Gasset, Alain Peyrefitte, Anne Applebaum, Roger Kimball, Alain Besançon, Lionel Trilling, Paul Johnson, David Pryce-Jones, Vicente Ferreira da Silva, Theodor Dalrymple, T. S. Eliot, Rosenstock-Huessy, Michael Oakeshott, Irving Babbitt, Ellis Sandoz, Vladimir Bukovsky, Vladimir Tismăneanu, Matei Visniec. A chance de todos eles somados terem estudado 5% das obras mais básicas sobre teoria política “reacionária” é menor do que 1%.
Gregório Duvivier, tentando bancar o cientista político como se fosse Hannah Arendt rediviva, acredita na modinha irrefletida de que reacionários são “saudosistas da ditadura” só porque fazem marcha comemorando a deposição de um dos piores presidentes que o país teve, João Goulart – sem conhecer história e sem saber que o que a Marcha da Família com Deus pela Liberdade original queria eleição no ano seguinte, e os militares, após tomarem o poder sob aplausos populares, traíram essa população, que queria o monumental Carlos Lacerda no poder, e só houve eleição livre dali a 21 anos (erro em que muitos jovens “reaças” também caem).
Basta ver os países admirados pelos “reaças” pra ver se algum deles é uma ditadura militar: a Alemanha de Konrad Adenauer, a Polônia de Lech Wałęsa, a República Checa de Václav Havel, a Inglaterra de Margaret Thatcher, a América de Ronald Reagan. Qual destes países-modelos para os reacionários é uma ditadura, ainda mais uma ditadura militar?
hugo chavez 300x199 Parem de achar que reacionário é ofensaQue tal comparar com o que a esquerda bondosa defende? Cuba, Coréia do Norte, União Soviética, China, Camboja (aquele país em que Noam Chomsky, no New York Times, afirmava que Pol-Pot só tinha matado “um milhar ou outro” de “traidores”, totalizando 24% da população), Irã, os infernais totalitarismos islâmicos que são “coitadinhos” contra Israel (o Egito, a Líbia e a Síria ficam em posição estranha, já que são “vítimas” de Israel, ao mesmo tempo em que a esquerda comemora quando o povo derruba seus líderes na Primavera Árabe), Venezuela, Iraque, Peru… qual desses, stricto sensu, NÃO É uma ditadura militar?
Vários dos grandes reacionários brasileiros, como o brilhantíssimo filósofo Mário Ferreira dos Santos ou o crítico literário Otto Maria Carpeaux, autor da maior História da Literatura do mundo, morreram vociferando contra o golpe de 64 e seu obscurantismo.
Todavia, Gregório Duvivier, que da história só sabe que “a direita reacionária apoiou o golpe” contra Jango, crê que por isso o que reacionários querem é abolir a república e instaurar uma ditadura que fez de tudo e mais um pouco contrários ao que os reacionários pregam. Crê religiosamente que preferir que os militares derrubassem Goulart a transformar o Brasil em Cuba é ter “farda suja de sangue” – graças à ditadura militar brasileira legar 424 mortos em 21 anos.  E que tal dizer que aqueles que queriam instaurar o comunismo cubano nestas paragens têm “roupas sujas de sangue”? Vários pegaram em armas – e mataram! – em nome de uma ditadura que matou 73 mil pessoas em 48 anos, com um único “presidente” depois trocado pelo seu IRMÃO sem consulta popular.
Por que os “não-reacionários”, os ex-guerrilheiros que juram que lutavam pela “democracia” da ditadura do proletariado, não têm as roupas “sujas de sangue”? Por que a esquerda agora sempre apela para o discurso de “não apóio nenhuma ditadura”, mas entre uma ditadura que matou 424 pessoas (a maioria absoluta de armas em punho para instaurar uma ditadura pior) e outra que matou 73 mil e continua matando, critica quem “preferiu”, na falta de opção melhor, a menos assassina?
Por que não diz, afinal, que graças aos militares, apesar de todas as mortes e o estrago, ao menos ainda não somos Cuba? O motivo é óbvio: a esquerda é comunista, e não existe esquerdista que não é comunista. Ele só tem vergonha de admitir que é essa coisa antiquada: comunista.
Se é para ver as mãos “sujas de sangue”, que tal comparar os escritos dos reacionários e daqueles que tratam reacionários como inimigos? Vejamos algumas frases de Che Guevara, líder revolucionário que odiava negros, gays, judeus, proibiu o rock e cabelos compridos, queimou livros, instituiu o trabalho escravo (fora o próprio paredón, matando em um ano, sozinho, mais do que toda a ditadura militar brasileira em duas décadas):
Enlouquecido com fúria irei manchar meu rifle de vermelho ao abater qualquer inimigo que caia em minhas mãos! Minhas narinas se dilatam ao saborear o odor acre de pólvora e sangue. Com as mortes de meus inimigos eu preparo meu ser para a luta sagrada e me junto ao proletariado triunfante com um uivo bestial.
“Não posso ser amigo de quem não compartilha das mesmas idéias que eu”.
“Adoro o ódio eficaz que faz do homem uma violenta, seletiva e fria máquina de matar”.
Agora as palavras de um reacionário, o nobre Erik von Kuehnelt-Leddihn, homem de conhecimento enciclopédico capaz de ler em mais de 20 línguas e, como bom reacionário austríaco, um fugitivo do nazismo, em seu O Credo do Reacionário:
Como um reacionário honesto, eu naturalmente rejeito o Nazismo, Comunismo, Fascismo e todas as ideologias relacionadas que são, de fato, um reductio ad absurdum da chamada democracia e do “povo no poder”. Eu rejeito os pressupostos absurdos do governo da maioria, do parlamento hocus-pocus, o falso liberalismo materialista da Escola de Manchester e o falso conservadorismo dos grandes banqueiros e industrialistas. Eu abomino o centralismo e a uniformidade da vida em rebanho, o espírito estúpido racista, o capitalismo privado, bem como o capitalismo de estado (socialismo) que contribuíram para a ruína gradual da nossa civilização nos últimos dois séculos. O verdadeiro reacionário desses dias é um rebelde contra os pressupostos prevalecentes e um “radical” que vai até as raízes.
Tem como se ofender em ser chamado de “reacionário”?
Os “formadores de opinião” brasileiros, que desconhecem do séc. XX até mesmo a vida de Stalin ou o mundo além da Cortina de Ferro, acreditando que lá era um reino encantado para onde as pessoas boas vão depois que morrem, usam a própria ignorância como régua para definir o mundo e a moral. Gregório Duvivier não é causa, mas conseqüência da ditadura de pensamento único que se implanta no país. E, claro, perceber essa platificação de pensamento é ser um “extremista”, já que a ditadura de pensamento único não permite, por definição, pensamentos discordantes.
green bay tea party 300x200 Parem de achar que reacionário é ofensaTrata-se de uma estratégia para definir limites do que é permitido pensar. Estar um pouquinho à direita da extrema-esquerda já te torna um “reaça” – basta ler como a feminista ultra-radical Lola Aronovich chama tudo o que não seja planificação totalitária, socialismo acachapante e concentração total de poder no Estado de “reaça”. De conservadores liberais a feministas libertárias, tudo é “reaça”. Integralmente incapaz de estudar obras de ciência política conservadora, basta rotular o alvo de “reaça” e todo o enxame de abelhas assassinas de su@s (como fazer isso com @? s@us? su@s?) leitor@s voa em cima do alvo sem precisar entender o que ele pensa.
A isso se chama hoje “pensamento crítico”, “livre pensar” ou “pensar com a própria cabeça”. É a uniformidade da vida em rebanho, o coletivismo bovinóide, o cult of the sameness tão combatido pelo reacionário Kuehnelt-Leddihn.
Assim como apóiam ditaduras militares e acusam os reacionários de serem saudosistas da ditadura, serem modistas e afirmarem que estão denunciando uma moda, serem sedizentes “críticos” e abraçarem irrefletidamente qualquer -ismo do momento, imputam pensamentos nojentos a seus adversários e admiram quem os leva a cabo, o anti-reaça da última moda também adora defender a “diversidade”, ao mesmo tempo em que odeia toda forma de “desigualdade”, nunca percebendo a contradição brutal no núcleo de sua crença fanática.
Os reacionários não seguem um bloco de pensamento fechado, como crêem e evangalizadoramente querem fazer crer Gregório Duvivier e outros seguidores do pensamento único hegemônico sendo instaurado no Brasil. Kuehnelt-Leddihn, Chesterton, Xavier Zubiri, Miriam Joseph, Mário Ferreira dos Santos, Olavo de Carvalho são pensadores católicos. O grosso dos “reaças” americanos, por óbvio, são protestantes. Alguns, judeus (essa turma que foi vítima do nazismo e que a esquerda odeia pelo mesmo motivo, mas jura que o nacional-socialismo nada tem a ver com socialismo): Dennis Prager, Ben Shapiro, Mark Levin, Michael Medved. Outros são muçulmanos, como René Guénon, Frithjof Schuon ou Hossein Nasr. Alguns são ateus, como S. E. Cupp, P. J. O’Rourke, H. L. Mencken, Jillian Becker.
williamblake Onthemorningthomas 232x300 Parem de achar que reacionário é ofensaFoi assim durante toda a história, para quem conhece os fatos antes de engolir o supositório de idéias e disparar a metralhadora da cagação de regra: Eric Voegelin, que não parecia acreditar na transcendência, a defendeu por ser a origem da ordem política e da moral social. René Girard já via no mito bíblico, de Caim a Jesus Cristo, o cerne da sociedade que não precisa mais de “sacrifícios” para se purgar, vendo a realidade do cristianismo tão fortemente quanto teólogos como Bernard Lonergan. Mircea Eliade via na esquerda não mais do que tentativas de reviver Cião através de mentiras, sendo o mais importante mitólogo do mundo. Já Emil Cioran, que viu o socialismo juche na sua própria pele, odiava a Deus e o mundo (literalmente para ambos), tal como se vê no reacionarismo furioso de Arthur Schopenhauer ou no materialismo total de Ayn Rand.
Ser “reaça” é defender o individualismo e a responsabilidade individual perante o coletivo – por óbvio, portanto, que eles discordem bastante entre si. Ronald Reagan era a favor de anistia para imigrantes ilegais. William F. Buclkey Jr. era a favor da legalização das drogas (como o são todos os “libertários”). Barry Goldwater era a favor da descriminalização do aborto. Ser “reaça” é defender a liberdade de pensamento individual – por exemplo, alguém não defender o casamento gay porque acredita que o casamento é instituição de formação da sociedade, e acredita que não se deve tratar como “casamento” uma união que não é formação de família.
Já ser de esquerda, sim, é pensar em bloco: se você é de esquerda, obrigatoriamente tem de ter as mesmas opiniões do coletivo sobre aborto, casamento gay, drogas etc da patotinha. Discordar em um ponto é “preconceito obscurantista”. Sempre que alguém apresenta argumentos contra o pensamento único dos “anti-reaças”, os rebanhistas imediatamente dizem que são pessoas poderosas e malévolas querendo defender os seus “privilégios”: o reaça, seja no artigo “Moda Reaça” de Gregório Duvivier, seja em “A Vida dos reaças” de Murilo Silva, no site Fora de Foco, seja em “Como se vestir como um direitista”, na revista Vice, é sempre retratado como branco, rico, heterossexual e católico.
Para não encarar a profundidade absolutíssima das filosofias de Eric Voegelin, Louis Lavelle ou Bernard Lonergan, dizem que o reaça é o “Almeidinha” ou o “Ricardinho” – o que trai a verdade latente, já que “reaças” costumam é vir das classes baixas (tão defendidos por G. K. Chesterton), enquanto é raríssimo ver um esquerdista sem um sobrenome como “Salvatti” ou “Hoffmann”.
Thomas Sowell replacing what works with what feels good 300x209 Parem de achar que reacionário é ofensaThomas Sowell, Walter Williams, Herman Cain, E.W. Jackson são negros (tal como Martin Luther King pai, que era um devoto cristão odiador do Partido Comunista). Russell Kirk, ostentador de 12 doutorados honoris causa, veio da pobreza – tal como Eric Voegelin, que foi aprender os hieróglifos egípcios para entender a ordem política grega e sua correlação de crise alexandrina com a crise medieval e o gnosticismo político de Marx a Hitler, chegou a passar fome para poder estudar. Thomas Sowell vivia tão enfurnado na comunidade negra que até anos avançados de sua infância não sabia que amarelo poderia ser uma cor de cabelo. Andrew Sullivan é gay, tal como Robert Bauman, Michael Huffington ou nosso Guy Franco (e como não lembrar daquele propaganda da campanha eleitoral de Marta Suplicy perguntando se Kassab é casado e tem filhos?).
Quer ver um direitista pobre? Fale com Marco Mattei, gari italiano que vivia com a família num subúrbio e teve o apartamento no terceiro andar incendiado por Achille Lollo, da organização terrorista de extrema-esquerda Potere Operaio (dá pra ver como gostam das classes baixas). No incêndio, um dos seis filhos de Mattei ficou preso no quarto, enquanto duas filhas pulavam pelo balcão. Um filho resolveu voltar para tentar salvar o irmão menor e ambos morreram abraçados e carbonizados. O caso ficou conhecido como “Rogo di Primavalle” (incêndio de Primavelle) na Itália. Achille Lollo fugiu para a Argélia e depois para o Brasil, onde foi um dos fundadores do PSOL, junto com Heloísa Helena. Outro terrorista italiano fugitivo, o mais conhecido Cesare Battisti, também fugiu após assassinar quatro pessoas, entre elas um carcereiro (que não deve ganhar muito).
Quem são os “ricos brancos heterossexuais católicos” Almeidinhas, se não os ricaços da esquerda caviar como Gregório Duvivier? Quem é que usa “soco inglês” e “enche de porrada” quem discorda deles por aí?
Quem é preconceituoso e vive de senso comum? Quem segue modinhas e quem é crítico? Quem é paranóico e quem vê a realidade do pensamento único? Quem defende planificação e ditadura e quem luta contra isso em prol da diversidade?
No desespero, além de falar em “soco inglês”, também pode-se apelar para “direitistas” extremistas – sobretudo o ultra-nacionalista norueguês Anders Breivik, que assassinou 77 pessoas em um único dia, sobretudo atirando em um acampamento para jovens do Partido Trabalhista norueguês. Breivik foi repudiado pelos nazistas noruegueses, como Vark Vikernes (“não é matando a juventude com o nosso sangue que vamos fazer algo!”) e, claro, por TODOS os reacionários NO MUNDO.
Você já viu algum “reaça” por aí usando Breivik como exemplo, herói, norte moral ou ideal de ação política? Agora você já viu algum esquerdista com camiseta de Che Guevara, alguém se dizendo “socialista morena”, alguém achando bonito fazer “bloco soviético”, ou dizendo que o problema é o socialismo “real” (não diga!)?
O que querem é associar todos os não-comunistas com o único extremista sem amigos que encontram – assim, não aderir ao pensamento único hegemônico da esquerda tão bondosa é ser um extremista com “manchas de sangue” na roupa do armário.
fascismo de esquerda 202x300 Parem de achar que reacionário é ofensaÉ o moralismo capenga do progressismo: define-se limites para o que pode ser pensado, através de conceitos pedestres: associa-se fascismo à “extrema-direita” (termo que os fascistas nunca usaram para se auto-definirem), diz-se que então os progressistas são opositores do fascismo e da direita, ao mesmo tempo em que também odeiam judeus e Israel (bar mitzvah é considerado “reaça” demais em um dos textos), e detestam o liberalismo e o capitalismo, dizendo que quanto mais liberal, mais é “reaça” e de direita, crendo que extrema-direita é a hiper-privatização, ao mesmo tempo em que a vida dissociada do Estado é associada com o fascismo Tutto nello Stato, niente al di fuori dello Stato, nulla contro lo Stato - e se você aponta qualquer contradição nisso, você é que não sabe brincar com esses conceitos chulé, você que é fanático obscurantista, você que não conhece a complexa realidade da mentalidade esquerdista – tão bem descrita por Lionel Trilling em seu clássico The LIberal Imagination.
Assim se cria a conceitofobia, o medo primevo e brutal de conceitos mais sólidos do que o lugar-comum da linguagem banal do dia-a-dia, conceitos que vão além dos limites do que é permitido pensar e do que é anátema, pecaminoso, sujo, proibido.
É a “fé metástica” de que nos fala Eric Voegelin: a fé que odeia a realidade, tendo mais amor pela opinião (filodoxia) do que amor ao saber (filosofia) e que quer reformar toda a estrutura da realidade – para tal, não pode senão repudiar a realidade com medo dela, achando-se por isso “crítico” do que é simplesmente verdadeiro.
Cria-se a resposta fácil para tudo: “sou crítico porque não leio revista Veja, não leio Reinaldo Azevedo, não leio Rodrigo Constantino e não leio Olavo de Carvalho”, já que ler algo do qual se discorda certamente causará câncer radioativo, e não se deve se misturar com essas coisas horrendas da direita reacionária nem por brincadeira – vai que alguém se torne minimamente mais reaça ao inventar de ler a Teoria dos Quatro Discursos aristotélicos do Olavo, os horrores e malversações públicas denunciados n’O País dos Petralhas de Reinaldo ou a ridicularização da Esquerda Caviar por Constantino? Não, é preciso passar longe e associá-los sempre ao pior, ter medo de encostar na capa dos livros e virar pó (o que nenhum reaça faz com livros de esquerda) – uma velhinha fanática religiosa queimando os discos do AC/DC do filho não conseguiria fanatismo maior.
Hello-o, companheirada! Nós já conhecemos essa logorréia repetitiva da esquerda! Nós já cansamos de Chomsky, Foucault, Sartre, Deleuze, Dworkin, Adorno, Gramsci, Alinsky, Habermas, Rorty e Butler! Nós não somos de esquerda porque estamos mal informados da realidade: vocês é que têm ódio dos reaças por só lerem preconceito contra eles – e nunca eles próprios!
Conclusão intempestiva
Como se vê, ser reacionário exige experiência, conhecimento de causalidade, a “prudência” na política que nos pedem de Aristóteles a Russell Kirk – aquele cara que tentou elencar Dez livros conservadores pra serem lidos, já que ser conservador exige uma vida de leituras, e não apenas macaquear um Das Kapital ou algum livrinho com pretensão de reunir todo o conhecimento da humanidade, do Céu e da Terra em alguns princípios gerais a serem repetidos bovinamente pelos rebanhistas de plantão (total destes livros lidos por formadores de opinião, professores universitários, jornalistas que falam de política 25 horas por dia e boçais da palpitaria política nas colunas sociais do Brasil: zero).
Ser “reaça” é apenas saber das coisas, e não querer moldar os outros conforme a sua imagem e semelhança – o que fazem de Lenin com suas fazendas coletivas a Kim Jong-un exigindo o mesmo corte de cabelo para toda a Coréia do Norte (ou Pol-Pot, mandando ser morto por crocodilos quem fosse alfabetizado ou usasse óculos). Ser reaça é ser contra aqueles regimes onde você pode sair fuzilando quem discorda de você.
Mas eu não me incomodaria se Gregório Duvivier me xingasse de alguma coisa séria. Me chamar de idiota, bobo, cara de melão – ou, como o modismo do pensamento único agora exige, de coxinha, de fascista, de extremista, de olavete. Isso, partindo de um cara cuja obra intelectual mais profunda é o Zorra Total do Youtube só pode significar que estou incomodando as pessoas certas.
Quando Marilena Chaui chama a classe média de “fascista”, de “reacionária”, de “terrorista” (sic), ela só recai naquilo que Ben Shapiro afirma sobre os valentões, os bullies da esquerda americana: não faz sentido chamar um membro da KKK (esquerdista, ao contrário do que dizem) de “racista”, nem um figurão da Waffen SS de “nazista” tentando ofendê-los. Isso é o que eles são.
A esquerda chama todo mundo de quem discorda de “racista”, de “homofóbico”, de “fascista” justamente porque sabe que os xingados odeiam racismo, homofobia, fascismo – e se calarão quando tiverem sua opinião associada a estas coisas das quais têm nojo mortal (vide Kuehnelt-Leddihn acima). Se fossem de fato racistas, homofóbicos ou fascistas as pessoas simplesmente diriam “Sim” e continuariam na mesma. Não é o que a esquerda planeja.
O problema mesmo é Gregório Duvivier querer me ofender me chamando de “reacionário”, devido à sua própria ignorância em relação ao termo. Aí não dá. Porque eu tomo como o elogio que é. O que há de tão ofensivo em saber como as coisas reagem? Em ser inimigo mortal de nazistas, comunistas e totalitarismos islâmicos homofóbicos e misóginos? Em ser contrário à concentração de poder, ao reformismo rebanhista, à planificação econômica, à mesmice cultural?
Eu tenho uma reputação a zelar. Como poderei sair na rua, se as pessoas resolverem apontar pra mim e dizer: “Olha lá, é o cara que o Gregório Duvivier elogiou!” PUTA MADRE! Precisarei fugir do país, de uma plástica como a do Dirceu, trocar de nome, sobrenome, tentar apagar minhas memórias com elevadas sessões de psiquiatria pesada. Os danos morais não podem ser cobertos por nenhuma indenização.
Pelamor, revoluças que não vêem nada demais em alguém admirar um facínora como Che Guevara (um idealista! um crítico social! um mundomelhorista!) e querem associar tudo o que é ruim a quem discorda de vocês de “saudosistas da ditadura”, numa maçaroca homogênea e platiforme como vocês próprios pensam: xinguem de outras coisas, mas não tratem “reacionário” como ofensa.
Ser reaça é mó legal – basta parar de querer ter auto-estima apenas através do grupinho, jurando que com isso é “crítico” e auto-pensante. É saber que o mundo não tem soluções fáceis e prontas, e que há muito mais livros a serem estudados demoradamente antes de tirar conclusões apressadas do que jamais sonharam nossos progressistas.
Basta apenas se acostumar a ser xingado de fascista, de saudosista da ditadura, de branco, de rico, de homofóbico, de católico, de racista, de nazista e de usar soco inglês por gente como Gergório Duvivier – e, claro, ser xingado de “fascista” por gente que quer tudo dentro do Estado, tudo para o Estado, bem ao contrário de você.
Mas, acredite: nada dói mais do que ser “xingado” de “reacionário” por pessoas que querem nos ofender, mas nos elogiam sem perceber.

palin wink 470x338 Parem de achar que reacionário é ofensa

O PT está há 12 anos no poder e ele se manifestou só agora... Tinha que ser o Chaves mesmo!



quinta-feira, 10 de abril de 2014

Os números do governo do PT - para quem gosta de gráficos e figuras

Corrupção: do MENOS corrupto para o mais. O menos corrupto é a Dinamarca. O maior índice de corrupção está na Somália.















LIBERDADE DE INTERNET