domingo, 23 de fevereiro de 2014

PT comunista quer punir militares que se defenderam de milícias assassinas na década de 70


23/02/14 - Comissões da Verdade realizam audiência sobre oito casos de assassinatos de militantes da ALN.


Por Marco Antonio Esteves Balbi

A Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva” em parceria com a Comissão Nacional da Verdade realizará audiência pública nos dias 24 e 25 de fevereiro de 2014 sobre oito casos de militantes da Ação Libertadora Nacional (ALN). Nesta ocasião, serão tratados os assassinatos de: Alex de Paula Xavier Pereira, Gelson Reicher, Iuri Xavier Pereira, Ana Nacinovic Corrêa, Marcos Nonato da Fonseca, Arnaldo Cardoso Rocha, Francisco Emanuel Penteado e Francisco Seiko Okama. Para esta audiência, a Comissão Nacional da Verdade convocou agentes públicos acusados de participação nas violações dos militantes da ALN.

"No dia 20 de janeiro de 1972 os órgãos de segurança surpreenderam Alex de Paula Xavier Pereira e Gelson Reicher, coordenadores do grupo de fogo do GTA, na Av Republica do Líbano, no interior de um Volkswagen. Ao serem abordados para identificação, os dois terroristas reagiram e atiraram, ferindo mortalmente o cabo da PMSP Silas Bispo Feche. Silas faleceu no caminho do Hospital das Clínicas, deixando viúva, em estado de gestação. Durante o tiroteio foi ferido gravemente o Sargento PMSP Oswaldo Ribeiro Leão. Sem qualquer ideia de rendição os terroristas continuaram atirando até tombarem mortos, crivados de balas." Página 694 do ORVIL - Tentativas de tomada do poder.

Será que o (a) filho(a) do então Cabo Silas será convidado para a audiência? O que será que aconteceu ao então Sargento Oswaldo Ribeiro Leão? Ele ou seus familiares serão convidados para a audiência?

" No dia 12 de junho de 1972, Yuri Xavier Pereira comandava o assalto à firma D.F. Vasconcelos, na Avenida Indianápolis, que rendeu Cr$ 130.000,00. O bando de assaltantes compunha-se de Antônio Carlos Bicalho Lana, Marcos Nonato da Fonseca, Ana Maria Nacinovic Correia e Francisco Seiko Okama. No dia 14 de junho, foi localizado o Volks de Yuri, estacionado nas proximidades do Restaurante Varela, no bairro da Mooca. Verificações realizadas no local permitiram constatar a presença de Yuri, Ana Maria, Marcos Nonato e Bicalho Lana que almoçavam na mesma mesa. A frequência ao estabelecimento no horário do almoço desaconselhou uma ação imediata. Montou-se uma "espera" nas proximidades do Volks.

À saída do restaurante, quando o quarteto se acercou do carro, ocorreu o previsto. À voz de prisão, todos sacaram as armas dando início a um tiroteio que se tornaria decisivo para a desarticulação da ALN. Bicalho Lana, com uma rajada de metralhadora quebrou as duas pernas de um cabo da PMSP. Com um tiro na coluna, quedou ferido um sargento da PM, enquanto um investigador do DOPS também era atingido.

Amparado pela potência de fogo de sua metralhadora, Bicalho Lana conseguiria afastar-se do local, sequestrar um carro e fugir. Marcos Nonato foi o primeiro a tombar morto, enquanto Yuri, armado com uma Lugger 9 mm, e Ana Maria, com um revólver .38, permaneciam engajados, mesmo feridos. Yuri tombou apertando o gatilho de sua pistola para não mais se levantar. Ana Maria, instada a render-se, permanecia atirando. Finalmente, o desfecho previsível, Ana Maria caiu morta ao lado de Yuri. Ao balanço trágico da ocorrência - três terroristas mortos e três policiais feridos - acrescentaram -se ferimentos à bala, na menina Irene Dias, de oito anos de idade, moradora na Rua Cuiabá, 172, e, em Rodolfo Aschrman, residente na Avenida Paes de Barros, 2520/871. As duas vítimas inocentes encontravam-se na calçada oposta aos terroristas, sendo por eles atingidos na tentativa desesperada de romper o cerco policial." Páginas 698 e 699 do Orvil - Tentativas de tomada do poder.

Será que a comissão irá verificar se os três agentes do Estado ainda estão vivos? Se ficaram com alguma sequela, em função dos ferimentos recebidos? O Estado os amparou, assim como aos seus dependentes? E a menina Irene, onde andará? E o senhor Rodolfo? Residirão ainda nos mesmos endereços? Como a vida deles se desenrolou, a partir daquela data?

" Atribuindo a morte de Yuri Xavier Pereira e seus companheiros à delação de um dos proprietários do Restaurante Varela, no bairro da Mooca, onde o terrorista e seu bando foram localizados, decidiu-se pelo seu assassinato, com o pomposo título de "justiçamento". O comando "Aurora Maria Nascimento Furtado", constituído por Arnaldo Cardoso Rocha, Francisco Emmanuel Penteado, Francisco Seiko Okama e Ronaldo Moutta Queiroz, foi encarregado da missão, e assassinou, no dia 21 de fevereiro de 1973, o comerciante Manoel Henrique de Oliveira. Às 7 horas da manhã, quando Manoel descia do seu Volkswagen, acompanhado de um sobrinho menor, para abrir o restaurante do qual era um dos quatro sócios proprietários, foi metralhado, sem que pudesse esboçar um gesto de defesa, não tendo seu sobrinho sido atingido pelas rajadas de metralhadora por um acaso. Manoel, de 39 anos, de nacionalidade portuguesa, viera para o Brasil há pouco mais de um ano, "para tentar a vida na terra da promissão". Com sua morte, antes que pudesse enriquecer, deixou sua mulher com duas crianças pequenas totalmente desamparadas, numa terra estranha." Páginas 756 e 757 do Orvil - Tentativas de tomada do poder.

Será que a família do Sr Manoel será convidada pela comissão para a audiência? Sua esposa teria permanecido no Brasil, com as duas crianças pequenas ou teria retornado para a Portugal? Como será que as crianças foram criadas e educadas?

" No dia 2 de março de 1973, em São Paulo, ao abordar um local suspeito de tráfico de tóxico, a polícia foi recebida à bala, e os meliantes lograram fugir. Um deles, nissei, na fuga, deixou cair uma maleta contendo documentos da ALN, sendo o fato comunicado aos órgãos de segurança. No dia 15, com o auxílio dos policiais envolvidos nesse incidente, foi dada uma nova "batida" no local, tendo sido ali identificado o mesmo elemento que deixara cair a maleta com documentos durante a fuga anterior, acompanhado de outros dois. À ordem de prisão, reagiram, travando-se cerrado tiroteio. Ao dispararem suas armas, os terroristas feriram a transeunte Aparecida Guarnieri Rodrigues e um policial. Ao cabo da refrega, os três elementos estavam mortos, tendo sido identificados como Francisco Seiko Okama, Arnaldo Cardoso Rocha e Francisco Emanuel Penteado." Página 758 - Orvil - Tentativas de tomada do poder.

Será que a comissão logrou identificar o policial ferido e saber como ele se curou? Conversou com a D. Aparecida para saber dela como sua vida transcorreu a partir de então? Estas pessoas comparecerão à audiência?

O que foi acima relatado foram as circunstâncias dos "assassinatos" que as Comissões da Verdade irão apurar!


Nenhum comentário:

Postar um comentário